terça-feira, 14 de setembro de 2010

Feliz Lusitânia


Do sol o rio reflete uma luz.
Nas árvores o vento balbucia
Para ternos casais uma elegia
E a um poema esse instante conduz.

Feliz Lusitânia, se ainda vivo
Fosse Monet, ao te conhecer,
Por certo, imaginaria consigo
Um jeito de pintar-te ao entardecer.

Do revitalizado prédio antigo,
Absorto, tenho nas mãos o antídoto
Que me entorpece os sentidos e a alma.

Ó lindo céu azul, ó rio que acalma,
Ó paisagem de silêncio eloqüente -
Belém antiga, quero-te pra sempre!

Felipe Fonseca
Belém-PA, 14 de setembro de 2010.

5 comentários:

Angelita Francis disse...

Nossa estava com saudade de te ler
e ainda estou de te ver no meu Blog.
Tá lindo Fê!!!
Quem dera um pudesse dividir com o
bem amado este entardecer, estas doces palavras e dividir o antídoto
que entorpece nos próprios lábio.
Bj

elvira disse...

Desde ontem penso em respirar aquele lugar, e, despretensiosamente venho te visitar e me deparo com esta suave poesia.
vou lá. 17h, sem falta, e junto comigo tuas palavras. beijo grande. amei.

citadinokane disse...

Felipão,
Quantas vezes sentei naquele último banco na fotografia, como se fosse um comandante sem barco, à espera das naus que partiram nos raios do sol do entardecer...

Muito bacana as linhas que escreveste sobre a minha cidade. Obrigado!

João Bosco Maia disse...

Estive já por aqui e cá estou outra vez. Belo espaço para as letras, para a poesia, para o pensamento... para tornarmos mais claros nossos caminhos! Ao mesmo tempo em que te mobilizo para removermos este triste índice de 2 livros/ano por leitor brasileiro (na Argentina são dezoito livros/ano),
te convido a conhecer meus romances. Em meu blog, três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
Um grande abraço e boa leitura!

Maria Madalena disse...

Náo dá pra dissociar o antigo do presente. Apesar da revitalizaçao, nisturam-se século XVIII e o estilo contemporaneo local. E dá uma saudade enorme, muito bem colocado em seu texto. Adorei!!!